Valentim R. Fagim

01/05/2009

É mellor quererse

Filed under: Campanhas Gráficas — valentimrfagim @ 2:15 AM

«É mellor quererse» é um trabalho que realizei em 2008 no seio da ENL da EOI de Ourense. O objetivo era as pessoas refletirem sobre a origem dos preconceitos contra o galego, preconceitos a que, infelizmente, poucas pessoas são imunes.

Pensei então em ligar este preconceito com outros preconceitos que tivessem a ver com etnia, género e sexualidade. Tratava-se de plasmar discursos contra a própria identidade, no caso:

uma mulher contra o direito ao voto para as mulheres
uma judia pedindo o prémio Nobel da Paz para Hitler
um congressista gai negando o matrimónio a homossexuais e lésbicas

No final, como conclusão, um texto de uma cidadã galega contra a língua da maioria dos seus concidadãos e concidadãos.

Toda a ideia precisa de uma plasmação gráfica e esta foi obra e graça de Ricardo Cabalenas, de Reviravolta Design.

A campanha foi colocada no vestíbulo da EOI e mede dous metros de altura, o que dá para chamar a atenção. Esse era o plano.

Podes descarregá-la aqui e aqui.

14/04/2009

Ser lingua non é fácil

Filed under: Campanhas Gráficas — valentimrfagim @ 11:31 PM

Esta campanha foi realizada em 2007, no seio da “Servizo de Normalización Lingüística” que coordenava na EOI de Ourense. A ideia força era mostrar as línguas como um produto condicionado socialmente e não como muitas vezes é visto: um produto acabado e até etéreo, para além do humano.

As línguas selecionadas eram as que se lecionavam na minha escola, além do neerlandês e o castelhano. O objetivo era mostrar como todas elas, hoje línguas nacionais de vários países, passaram por momentos delicados que bem puderam gorar a sua existência caso do inglês durante o período normando. Noutras casos mostrava como alguma das suas variedades estão a sofrer uma situação embaraçosa, caso do espanhol em Porto Rico.

São ao todo 8 painéis que recolhem discursos autênticos alguns tão chocantes como este:

“If someone doesn’t speak French, he is not taken into consideration…
I think that there is no country in the world that is not attached to its own
language, with the exception of Britain”

Se alguém não sabe francês não é tomado em consideração … Eu creio
que não existe nenhum país no mundo que não adira à própria língua, a
excepção do de…

Podes visionar aqui: ser-lingua-non-e-facil.

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.