Valentim R. Fagim

17/03/2011

Português, língua estrangeira

Filed under: Gostava de tê-lo feito eu — valentimrfagim @ 12:27 PM

O autor é Diego Bernal e publicou-no em Diário Liberdade.

A língua do Brasil, país maior e mais povoado da América Latina, com cerca de 200 milhons de habitantes, é o português.

O português também é oficial na Uniom Europeia, por ser a língua nacional de um dos dous estados que partilham a Península Ibérica. Além da América e a Europa, o português é falado em África, Ásia e na Oceánia.

Aos habitantes do Brasil dim-lhes neste idioma “brasileiros”.

Em português denominam “coxim” ou “almofada” um objeto mole que fai mais confortável o descanso. O ato de se pôr em posiçom horizontal é em português “deitar-se”. Onde sentas di-se “cadeira”, e onde dormes “cama” ou “leito”. Ao “folgar” podes botar umha “soneca” e durante a mesma ter “sonhos” ou “pesadelos”. Com estes últimos sentes “medo” e mesmo “arrepios”.

O que pisas é o “chão” e as aberturas da parede de um apartamento som as “janelas” que costumam dar para o que eles chamam “rua”.

Por onde circulam os veículos chama-se, nesta língua estrangeira, “estrada”. Caso seja permitido circular por essa “estrada” a grande velocidade, é umha “auto-estrada”. Os indicadores de tránsito denominam-se “sinais”.

O ato de emitir palavras pola boca para se comunicar chama-se “falar” e quando algo che fai graça é, em português, “rir” ou “sorrir”, dependendo da intensidade com que o figeres.

Nesta língua, falada a 7000 quilómetros da Galiza, aos insetos que fabricam o mel chamam-lhes “abelhas”, aos que picam “mosquitos”, aos que emitem luz “vaga-lumes”, a umha espécie de animais noturnos “morcegos” e aos animais que andam muito devagar pola terra e que gostam da água “tartarugas”. As aves da costa som “gaivotas”, as da cidade “pombas”. Chamam “ratos” a uns mamíferos pequeninhos que gostam de lugares abandonados e “toupeiras” a uns que furam a terra e estragam jardins.

No seu idioma, o que utilizamos para caminhar di-se “pernas”. A parte inferior “pés”, assim escrito com acento agudo por terem “es” abertos e fechados. A dianteira do corpo é o “peito” e por onde ouves “orelhas”. Vês polos “olhos”. Colhes com a “mão” e a parte inferior da cara é o “queixo”.

Polos olhos, para além de “ver”, também utilizam o verbo “enxergar” ou “olhar”.

Os nenos e nenas jogam com “bolas” ou “bonecos”. E quando o fam livremente polo parque simplesmente “brincam”.

Quando se vai o sol chega o que eles chamam “noite” e aparece no céu umhas luzes que chamam “estrelas” e ao satélite “lua”. A luz que emite esta última chama-se “luar”, como o programa do Gaioso, curioso, nom é?

Quando cai água do céu, creio que dizem que “chove” e quando há tormenta algo assim como “trovoada”. Quando vai calor dim que “está quente”.

O nome dalgumhas cores que lembro: “vermelho”, “amarelo” e “branco”.

O que utilizas para comprar chama-se “dinheiro”. Quando é metálico e redondo “moedas”. Isto guarda-lo na “carteira”. O que custam as cousas di-se “preço”, se queres que che calculem o “preço” de um trabalho pedes um “orçamento”. Nos bancos ou “caixas” solicitas “financiamento” e eles cobram-che “juros”.

O que em inglês é fish aqui di-se “peixe”. Um dos que mais gostam é um que se chama “bacalhau”. Também gostam doutros como as “sardinhas” e, nomeadamente, do que em inglês é octopus, que aqui chamam “polvo”.

Quando nom tés muita fame, comes uns “petiscos” e depois umha “sobremesa” e escolhes “tortas” ou “biscoitos” ou entom: “laranjas”, “ameixas”, “uvas”, “framboesas”…

Para levar os alimentos à boca utilizas um “garfo”, ou umha “colher” para sopas ou caldos. Ainda que eles o pronunciam com “u” porque também tenhem “os” fechados e abertos, e cousas assim. Onde pousas a comida chamam-lhe “prato”. Os restos dos que te desfás chamam-se “lixo”. Bebem “cerveja”, “vinho”, ou, se tiverem sorte, “champanha”. “Leite” é a bebida de cor branca que extraem das vacas.

Vem-me à cabeça que onde elaboram a comida é a “cozinha”, para aplicar o olfato dim “cheirar”. Odor é “cheiro”. Gosto desta palavra, “cheiro”, bonita, nom é? Onde fam lume para se aquecerem dim-lhe “lareira” e quando estám cansados entra-lhes o “sono”.

O português é a segunda língua romance mais falada no mundo, por diante do francês. É a mais falada no hemisfério Sul e a quinta mais falada do mundo.

O Partido Popular quer proibir às crianças galegas aprenderem português como 2ª língua estrangeira porque dim que na Galiza tem um “fundo ideológico”. E terá…

Anúncios

14/02/2011

Dous rollos distintos

Filed under: Gostava de tê-lo feito eu — valentimrfagim @ 8:36 PM

Do grande Suso Samartim, habitante da VA-CA (Via anti-colonial activa) e de Sei o que fizestes.

22/02/2010

Memorando para o ensino do portugués… en Trujillo

Filed under: Gostava de tê-lo feito eu — valentimrfagim @ 9:09 PM

Xurxo Estevez é o seu autor. O artigo nasceu, em suas palavras, porque “Actualmente, resido e traballo en Lisboa, rodeado de estremeños. Asombra ver a “naturalidade” coa que asumen que o portugués é o veículo necesario que abre a porta de entrada e a vía de circulación dos intereses económico-sociais da rexión. É inevitábel comparalo con o que está a acontecer na Galiza porque ten grande delito.”

Imaxinemos que cada curso, e grazas á intervención institucional do goberno galego, dez mil persoas se matriculasen nun cento de cursos de portugués ao longo de toda a xeografía galega.

Supoñamos que as diversas consellerías organizasen, cada ano, 60 proxectos culturais e máis de 100 actividades educativas conxuntas, alén de impulsar cursos radiofónicos das respectivas linguas.

Pensemos por un momento que un servizo especializado se adicase a editar sistematicamente, a cada lado da fronteira, unha serie de libros e revistas para difundir mutuamente a literatura, a historia, a arte, a cartografía, a xestión ambiental, os recursos rurais, o comercio e os negocios en xeral, a artesanía, a música, as ciencias humanas e sociais, a gastronomía, a política hídrica, a produción ovina e caprina, os cultivos, os incendios forestais, as cuestións de xénero, a produción de tabaco, a administración electrónica, a eficiencia das institucións financeiras, as formas propias de pensamento, as políticas urbanas e territoriais e un larguísimo etc. de temas, coa mirada posta en facilitar o coñecemento mutuo.

Figurémonos que a Xunta convocase periodicamente un concurso internacional para premiar os mellores proxectos de vencello entre os dous países, ou que se programasen festivais de cine, de música, danza, congresos e encontros transfronteirizos para fomentar, por exemplo, as producións agrarias extensivas, os contactos entre criadores de cavalos, entre as sociedades de ovinotecnia e caprinotecnia, o desenvolvemento local, sustentábel, rural e comunitario, a arqueoloxía, o intercambio de experiencias sobre a eliminación de residuos, sobre o porco ibérico, sobre a recuperación das vías pecuarias transfronteirizas, sobre o aceite, o tabaco, o touro, o viño, encontro de ateneos, intercambios culturais entre cidades concretas a ambos lados, entre empresarios, entre filósofos, estudantes, avogados…

Se iso todo acontecese, e se ademais a Xunta de Galiza estivese aínda gobernada polo bipartito PSOE-BNG, que diría “Galiza Bilingüe” dese balance? Como o cualificaría Mariano Rajoi?

Con certeza que o Sr. Rodríguez Ibarra, ex-presidente socialista da Junta de Extremadura, sempre presto a denunciar calquera sombra de “separatismo independentista” xunto ao seu amigo Paco Vásquez, cualificaría ese achegamento galaico-lusitano como estratexia perversa para fortalecer as tendencias centrífugas das “rexións periféricas” a carón da ruptura de España.

Mas señores e señoras, resulta que esa lista é real! Ese impresionante caudal de actividades e intercambios existe: trátase do balance entre 2003 e 2007 publicado polo “GABINETE DE INICIATIVAS TRANSFRONTERIZAS DE LA JUNTA DE ESTREMADURA”!!!

Políticos expertos, eles si que o teñen claro: PORTUGAL É A CONEXIÓN LÓXICA E NATURAL DE ESTREMADURA para expandir a súa economía, para obter unha saída ao mar, para incrementar postos de traballo, para…

E nesta tarefa de expansión, é fundamental aumentar o dominio do idioma portugués por parte dos estremeños. Soa ben, non-si?

Nese caso, non hai impedimentos ideolóxicos nin patriotadas: imos todos a aprender portugués, afirman, con Ibarra á cabeza, el que foi o estratego do extremo-lusitanismo.

Vense de aprobar o Memorando para o ensino do español e portugués en ambos estados, onde se poñen os meios para a introdución das linguas nos dous sistemas educativos. Sabedes onde se deu o acto protocolario da asinatura e quen estaba presente?

Pois asistiron os ministros de Educación de España e Portugal, Angel Gabilondo e Maria Lurdes Rodrigues, respectivamente… e o presidente da Junta estremeña, Sr. Guillermo Fernández Vara! O acto desenvolveuse en Mérida, pois os estremeños foron os primeiros en aderirse ao protocolo de intercambio, e mesmo comezaron xa unha forte campaña mediática para captar matrículas de portugués nos centros de ensino ao principio do curso.

E na Galiza? Será que nada temos a ver co idioma lusitano? Como é posíbel que a sinatura de un tal protocolo nos pasase por diante do nariz sen que o Sr. Feijoo fose parte activa, sen que os meios de comunicación o destacasen, sen que houbese unha iniciativa parlamentaria, unha proclama política, unha moción partidista, un acto das organizacións normalizadoras, da RAG, unha manifestación dos sindicatos do ensino?

Namentres, o principal mentor dos espectaculares avances estremeñistas na materia, o Sr. Rodriguez Ibarra, recolle os froitos lusófonos cunha man e nos azouta aos que queremos fomentar relacións con Portugal coa outra, insinuando que somos uns tolos-terro-separatistas.

Sería moi fácil rematar aquí con algunhas frases dos nosos pensadores máis ilustres sobre a importancia do engate gaico-luso. Sería moi fácil e moi triste, á vista dos magros resultados que, entre uns e outros, imos recollendo.

21/02/2010

Efeito surpresa

Filed under: Gostava de tê-lo feito eu — valentimrfagim @ 10:40 PM

O seu autor é Edelmiro Moman, profissão… químico.

A chacun, l’âge venu, la découverte… ou l’ignorance. Tri Yann.

Outono de 2003. Santiago de Compostela. Semanas antes entregara nos escritórios do terceiro clico o manuscrito da minha tese de doutoramento. Do Departamento de Química avisam-me de que há um problema. Vou falar com uma funcionária de terceiro ciclo. O problema é que, segundo ela, a minha tese está redigida em português. Eu digo que é galego. De facto, eu nunca estudei português.

Setembro 2004. Bolonha, Itália. Vou-me inscrever em capoeira. Falo com o mestre Chiquinho. Em galego, naturalmente. Ele pergunta: “Onde apreendeu você português?”. Eu contesto: “São galego, da Galiza”. Os capoeiristas brasileiros ficam a olhar pra mim. O mestre Chiquinho era professor de história no Brasil. Na Itália ele é mestre de capoeira e professor de português. No dia seguinte começo o adestramento. Chego tarde. Mal entro pola porta, o mestre Chiquinho informa o pessoal, fala italiano: “Quero que conheçam o novo aluno, Miro. Ele vem da Galiza. O português nasceu na Galiza, assim que ele já fala português”. O mestre Chiquinho documentara-se. Quarenta pessoas ficam sabendo.

Maio 2007. Estrasburgo, França. Cafetaria do cinema Odyssée. Chega Béliza, vicepresidenta da Chama (“amicale” de estudantes lusófonos). Béliza é luxemburguesa de pais portugueses. Falamos francês, depois castelhano e finalmente galego. Béliza figera um Erasmus na Andalucia, mas pouco sabia da Galiza. Fica maravilhada da proximidade entre a língua da Galiza e a de Portugal.

Junho 2008. Luxemburgo. Michel é luxemburguês. Ele trabalha para o banco proprietário do apartamento do que somos inquilinos. Estamos a fazer o “état de lieu”. Falamos francês. Ambiente formal. Ele recebe uma chamada. Fala português. Quando desliga, aproveito para continuar a conversa em galego, com naturalidade. Ambiente muito mais distendido. Cordialidade. Cumplicidade. Michel é filho de portugueses.

Outubro 2009. Luxemburgo. Festa do Samhain na nossa casa. Chega Nuno, da Madeira. Não nos conhecíamos. Tenta falar comigo em castelhano. Contesto em galego. Nuno: “Mas você fala português!”. Eu: “O que eu falo é galego”. Nuno: “Mas você está a falar português…”. Eu: “Galego”. Nuno: “Então é a mesma língua”. Eu: “Será”. Outros convidados perguntam que língua estamos a falar.

Novembro 2009. Luxemburgo. Saímos duma festa cas dum colega inglês. O Nuno, Alcinda, tradutora do Porto, e mais eu imos falando galego. Apanhamos o bus. Eu não tenho bilhete. Não há problema. O chofer é português. Essa noite os galegofalantes viajam grátis.

Janeiro 2010. Luxemburgo. Uma discoteca de Clausen. Chega Marília, tradutora do Porto. Fala francês, depois inglês. Chega Alcinda, fala português. Passamos todos automaticamente a falar galego. Vamos dar num restaurante português. Somos uma dúzia de pessoas de distintas nacionalidades. Um maltês pergunta em que raios de língua estamos a falar.

Fevereiro 2010. Luxemburgo. Festa cas duma colega eslovena. Nuno, Vlasta e mais eu falamos galego. Carlos está estranhado. Ele é cubano e não sabia que os galegos e os portugueses podiam-se entender tão bem. Nuno aclara que é a mesma língua. Rebecca, inglesa, repara em que o sotaque é diferente. Não mais do que o inglês de Manchester e o inglês de Dallas. Videlina, búlgara, dá por feito o galego ser um dialecto português. Explico que é justo ao invés, o português é um dialecto galego. Rimos.

Poderia continuar, mas antes digam-me, por favor, qual é o sexo dos anjinhos?

Próxima Página »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.